quinta-feira, 17 de março de 2011

CONTINUAÇÃO DO TENTANDO ESPANAR O ESPANADOR DO MOVIMENTO NEO-CALVINISTA

13. O que há de novo em “relacionamentos complementares (e não igualitários) entre homens e mulheres”? Isso é o velho e manjado machismo redivivo? É a velha, vetusta, reação ao avanço reformado na direção da possibilidade de ordenação feminina ao sagrado ministério de mulheres santas, vocacionadas, adornadas com dons, por Deus, e decididamente evangélicas ou ortodoxas, isto é, reformadas? Ou não? Não igualitário? Não sendo igualitário, e você afirma que os driscollianos, ops, neo-calvinistas, dessa sua linha, não são, o que são? Hierarquizados? Escalares? Se for assim só o homem pode estar por cima? Se quem está por cima é o homem, como pode o homem ser complementar à mulher, tanto quanto a mulher é complementar ao homem? Complementar não se coaduna com não-igualitário. Não igualitário coaduna-se com a submissão da mulher. Então o que são estes relacionamentos complementares homem-mulher que não podem ser complementares mulher-homem? Estou te interpretando mal?

14. Ainda no quesito relacionamento homem e mulher, acho que o chamado “velho” está melhor do que o “novo”. Por que o “velho” permite que mulher suba ao púlpito, (e qual o problema da mulher subir ao púlpito, falar de cátedra, é o púlpito é reservado ao ministério pastoral? E esse troço de ministério pastoral é algum tipo de sacerdócio eterno da nova aliança privativo do levita/homem? E qual a diferença de ler um livro de qualquer autora e de ouvi-la pregar?) ainda que não ordenada, faça leitura bíblica, pregue, ore... E o “novo” (Driscoll, Piper et caterva) está dizendo que a mulher não deve fazê-lo, pelo menos do alto do púlpito – se bem que o Driscoll diz que a mulher deve se calar mesmo, nem pregar, nem ensinar... A Igreja, segundo os novos, deve perseguir o padrão de algo próximo do silêncio feminino absoluto, o que a Bíblia sequer prescreve por que no contexto se diz que “toda a mulher... ora ou profetiza”. Numa boa exegese, “qualquer” mulher “ora e profetiza”, como qualquer homem “ora e profetiza”, apenas que se ela “com a cabeça descoberta, desonra a sua própria cabeça”. (I Co 11:5-7). Versiculo isolado? Ora, até a Biblia de Estudo de Genebra chama atenção que a Bíblia/NT não ensina o silêncio absoluto de mulheres na Igreja.

15. O “novo” está passando por cima de tudo. Vem como trator-patrola. Nem é o caso de dizer que o “novo” esteja passando por cima da Palavra de Deus, o que como “velhos” achamos tolerável, nos iguala, aos “neos”, é que não satisfeitos de passar por cima da Palavra, estão passando por cima das sacrossantas e infaliveis notas exegéticas e homiléticas da Bíblia de Estudo de Genebra! Isso é o fim da picada! Ai, não, isso é imperdoável. Buzina esses “neos”. Brincadeiras á parte, certo é, no caso, parece, que o “velho” tem aceitado melhor a Palavra de Deus, e tem trabalhado melhor essa questão da Tradição? Então para que o novo? O “vinho velho” como todo bom vinho está melhor do que o vinho novo, que, aliás, de novo não tem nada... é a velha morrinha, a velha cisma, a velha fissuração, o velho machismo? O que existe de novo é novo fruto da vide, de novo, ou é uma nova expressão da velha fermentação?

16. Pateticamente pergunto por que enfim essa questão? Por que sempre revolver esse assunto. Pauta-se isso como ponto para uma “nova reforma”. De certa forma banalizam-se os velhos cinco pontos do calvinismo. Não são mais cinco, agora são novos nove – para coincidir com os nove dons de I Corintios? - pontos do calvinismo: os cinco antigos, renovados, e os quatro novos, dentre os quais “relacionamentos homem e mulher complementares porém não igualitários”. Por que defraudar essa bandeira do chauvinismo? Alguém poderá perguntar. Nada de neo-calvinismo, nesse ponto, se você não me corrigir, pelos seus simples dizeres, isso para mim, certo ou errado, nem vem ao caso agora, é neo-chauvinismo! Você não percebe?

17. Por que os novos não trazem, por exemplo, a discussão ainda irresolvida do conflito entre a ciência moderna e a fé fundamentalista ex viz à subsistência do “criacionismo bíblico”, adventista, de terra jovem, dos seis dias literais e outras babozeiras adventicias? Essa, e outras babozeiras adventicias, driscollianas, dos calvinistas de bermudas, não envolveria questões mais relevantes para você quando era um universítário? Puxa, há muita abrobrinha para ser discutida ainda como bons e velhos reformados! Qual dos assuntos você acha mais interessante para você levar hoje com a Kamyla? – Kamyla, você vai ficar calada, tá, enqunato eu falo, vai ser assim está na Palavra I Tm 2:12...” Você acha que ela não preferiria discutir a idade da terra, o modo como Deus efetuou a Criação, ao invés do convencimento de que ela é inferior a você e por isso ela precisa complementá-lo no Ministério e que não deve ter Ministério próprio no Reino de Deus para você complementar?

18. Ousadia e cuidado, não vamos radicalizar. Mas, que questão não resolvida ainda se embute nesse caso, com exceção da que os machistas de plantão insistentemente recorrem, e insistem em rebaixar a condição da mulher na Igreja, em plenos dias de governo de nossa Presidenta Dilma? Essa é mensagem relevante para o Brasil nos dias hoje? Está resolvido, biblicamente e teologicamente: os sexos são complementares por que homens e mulheres diante de Deus tem o mesmo valor, posição espiritual idêntica em Cristo. Acabou. The End. E a IPB, e outras igrejas “neo-reformadas”, não ordena mulheres ainda por que estas por enquanto não são necessárias ao ministério ordenado, ou especializado, apesar indispensáveis na igreja como professoras de escola dominical, promotoras de eventos sociais, obras evangelicias inspirativas e edificacionais, etc. Não são necessárias ao ministério especializado pois tem mais pastores do que crentes (leigos = somente crentes) em muitos lugares do País. A IPB e outras igrejas “neo-reformadas” estão minguadas, pifadas, mal das pernas e não dão conta de dar trabalho sequer para os seus vocacionados masculinos. E Deus sabe muito bem disso, e por isso talvez ainda não disparou vocações femininas para a pregação, administração dos sacramentos e para o exercicio da disciplina eclesiática! Quem sabe não é isso? E por isso, quem sabe, por não outra coisa, a ordenação feminina ainda não é problema na IPB, pois sequer é necessidade! Quando for necessário um presbitério ordena a pedido de uma igreja local, embasando o pedido na Bíblia, única regra de fé e prática, a maior e incontestável autoridade em matéria de fé e vida. Cabe recurso até ao SC? E dai? Se desordena? E como que fica os “dons e vocações são irrevogáveis”? O presbitério não aceita, e as pessoas saem da IPB, deixando para elas seus bens patrimoniais que revestem em renda para o sustento da estrutura encastelada. Pronto. Prejuizo para o povo da IPB. Neo-calvinismo é isso? Neo-reformados? É divisão?

19. Pode ser que a sobredita “ordenação” feminina não sai por que, além da falta de vocação das mulheres, nós os homens da igreja não a desejamos. Não suportamos nos nivelar ao sexo frágil, incompleto. Talvez nesse quesito eu seja exceção. A presença das mulheres em nossos concílios, assegurando-lhes voz e voto, outorgar-se-lhes-iam um sabor de responsabilidade maternal e afetuosa muito próximo do que Paulo, talvez tendo visto isso na Priscila do Aquila, se referira aos “ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade”, que levasse com mais facilidade a “suportai-vos uns aos outros” e ao “perdoai-vos mutuamente,..” – Col. 3:12-13. Penso que a minha mãe esposa do meu pai pastor, se preparada, poderia ter sido melhor pastor do que ele (até ele há de concordar comigo) e a minha esposa poderia ser melhor presbitera do que eu presbítero (e ai penso que, em sua modéstia, ela não concordaria comigo). Penso que exigiria por parte de nós homens um espírito de respeito e reverência maior à presença feminina e muitas das trapaças, peitas, explosões e até pugnas seriam evitadas em beneficio da igreja. Por outro lado, as frágeis “razões bíblicas” fundadas em assertivas paulinas limitadas culturalmente temporal e territorialmente, isoladas do contexto, não fazem mais firmes as minhas convicções até inamovíveis contrárias à ordenação feminina.

20. Quero então dizer, que esses “relacionamentos complementares entre homens e mulheres sem igualdade” não é problema digno de algo que se chama “novo” é uma posição retrógrada, e embirrada, dos antigos, e decorre de discussão bizantina que acaba em dizer que mulher não pode ser ordenada, mas elas, infelizmente, não são, nem serão, nem vocacionadas... E a vocação delas não se necessita, nem se necessitarão, pois o rebanho de Deus nessas igrejas “neo-quadradas” não está dando nem para os pastores masculinos ora ordenados! Sequer são desejadas. Como você poder ver, isso deixou de ser chifre em cabeça de cavalo, é pele em casca de ovo... Você devia saber que isso é reacionarismo puro pois igrejas reformadas ortodoxas já permitem, não obrigam, a ordenação de mulherres: a EPC, a NACRC, que mantém relações com a IPB/LPC. Há grupo numeroso que já defendem essa possibilidade na PCA. Mantém-se “duros” as denominações retrógradas OPC, BPC e os locais-independentes, e agora reforçam-nos os “neos”.

21. Afirmo que essas extravagâncias biblico-reformadas medram em igrejas/denominações mirradas, caquéticas, depauperadas e a prova é que esses neos precisam casar suas invencionices com o movimento de igreja emergente, sair fora das igrejas conciliares em seus segmentos superiores por que sabem que as suas ideías não suportariam as criticas conciliares. Resulta que numa igreja emergente, local, com perspectiva de mega-igreja, há um contigente numérico expressivo consequente da cata de membros, “abacaxis de igreja”, que acodem a esses movimentos de ”suv”, vans, ônibus, trens, metrô, dentro de um raio de áreas urbanas metropolitanas de 100 ou até 150 km... Não são igrejas de comunidade, São igrejas que somam individuos mais “irmãos” abstratos do que concretos “amigos”.

22. Outro ponto, marca dos “neos”, apontado com toda pompa e circunstância, é o “ministério cheio do Espirito Santo”. O que é isso? Quer dizer que essa não era marca dos reformados ou calvinistas das antigas? E eu que pensava que ser cheio do Espirito Santo era ordem para todo crente, “enchei-vos do Espirito”, agora, para os “neos” virou qualificação para o santo ministério? È ministério ou é sacerdócio especial e perpétuo da nova aliança? São só os católicos que colocam a Palavra debaixo do vetusto Magistério? E o que fazem esses “neos” com a ordem para que todos os crentes, não só os do “ministério” sejam cheios do Espírito? Se excluem as mulheres do Ministério, e até do dever de pregar o evangelho, logo essas também não precisam ser cheias do Espirito? Quer dizer, que haviam pastores, presbiteros e diáconos e membros de igrejas da velha ordem que nem eram cheios do Espirito Santo? E quanto as “demais” qualificações, não indicadores do ser cheio do Espírito? Não depende do ser cheio do Espirito para ser “irrepreensível, marido de uma só mulher, temperante, sóbrio, ordeiro, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não espancador, ... moderado, inimigo de contendas, não ganancioso; que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com todo o respeito (pois, se alguém não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da igreja de Deus?); ... [ter] bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em opróbrio, e no laço do Diabo”. Para tudo isso não depende de ser cheio do Espirito? “Da mesma forma os diáconos” para serem “sérios, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância”, para “guardar o mistério da fé numa consciência pura”; para que se “sejam primeiro provados, depois exercitem o diaconato, se forem irrepreensíveis”, não depende da ação, direção e domínio do Espirito Santo? “Da mesma sorte as mulheres”, que nunca são listadas pelos “neos” para que “sejam sérias, não maldizentes, temperantes, e fiéis em tudo”, não devem ser dirigidas e controlados pelo Espirito? É possível ter todas estas essas qualificações de I Tm 3 e ainda não ser cheio do Espirito Santo e ai então eu retorno à pergunta: o que é então ser cheio do Espirito Santo como requisito para o Ministério?

23. Trata-se do mesmo julgamento recorrente de quem é contemporanista contra o cessacionista. Novo quanto o montanismo, o movimento da Rua Azuza... O que caracteriza ser cheio do Espírito Santo para o contemporanista é o falar em linguas, se se crê que isso não existe mais, cessou, ser cheio do Espírito Santo, para mim, não é falar linguas. Se crê não seja somente isso e sim isso acompanhado de outras coisas o que é mais importante? Para o comtemponista é possivel ser cheio do Espírito Santo sem falar em linguas? Se é possivel ou é impossivel, meu Deus dos Céus, o que há de novo nessa discussão? É claro que muitos destes neo-calvinistas não têm nada de “neo” são mesmo calvinistas neo-pentecostais, para quem ser cheio do Espírto Santo, é, dentre outras coisas de somenos importãncia, falar em linguas e receber o revestimento para sair por ai realizando milagres, disparando profecias premonitoras, tornando mais efetiva a pregação do Santo Evangelho. Com mais unção. Unns são.Outros não são: são sem unção... Tudo bem! No final, como disse no inicio acabam se contentanto com as práticas liturgicas inovadoras, renovadas... Então diz logo, ser “neo” é certo aberto a práticas liturgicas inovadoras. Qual o problema de ser calvinista neo-pentecostal ou mesmo calvinista pentecostal? Para mim não tem nada demais, agora... traga-nos mais unção. Mas sem chamar neo-pentecostal de neo-calvinista. Seria chamar o Louis Franciscon de neo-calvinista ou dizer que o neo-calvinismo tem tanto de novo quanto a Congregação Cristã no Brasil!

24. Tem alguma coisa de novo em “prática missional”? Dizer que “a formatação de nossa vida e de nossas igrejas com o objetivo de levar Cristo a ser adorado por muitos, nos leva a rompermos com certos tradicionalismos” remonta a divisão da igreja em nova luz, velha luz; velha escola, nova escola... Isso levou ao modernismo teológico e pode nos levar de volta ao calvinismo. Que jóia! Tem mais de 100 anos de idade, no mínimo. Por outro lado, essa prática missional não tem sido muito coerente, os “neos” fizeram correr do RTS o nosso amado Editor-Geral da Bíblia de Estudos de Genebra, Rev Bruce Waltke, que disse: “Se os dados são predominantemente a favor da evolução, negar essa realidade fará de nós uma seita (a cult)… uma espécie de grupo isolado (odd group) que realmente não interage com o mundo. E isso é assim, não estamos utilizando nossos dons e nem estamos confiando na Providência de Deus que nos trouxe até este ponto de nossa compreensão“. Esse é “velho” mesmo, tem 79 anos, a maior parte deles como notório estudioso evangélico do Antigo Testamento e falando sobre “academia, fé e evolução” não somente endossou a evolução, mas disse que “o cristianismo evangélico estava enfrentando uma crise para não acabar aceitando a ciência”. É assim aferrando-se à idéia da criação do universo em seis dias literais com a idade de 10 mil anos, ou menos, e considerando hereges os evolucionistas teistas que estamos servindo a Deus, e ao mundo, nessa geração? Acho que nós estamos pagando o mico nessa geração! Pagamos um mico menor, desnecessário, para outros irmãos teístas, porque aos ateístas o pagamos maior por crermos em Deus. Se é para pagar micos, calvinistas da nova geração, paguemos os necessários.

25. Ir contra questionar “ritmos mundanos”, contra chamar “pentecostais de apóstatas” de “hereges os arminianos”, não é atitude nova entre os calvinistas e reformados de boa cepa. Isso é atitude de piedade e caridade cristã, neo-testamentária, e que qualificou os presbiterianos das antigas. Nada contra. Mas, questiono, até que ponto isso é motivo de cavalo de batalha? Qual o problema de adotarmos os “ritmos mundanos” em nossa casa, ouvindo no rádio, curtindo um DVD, se isso não atrapalha a nossa edificação, e achá-las não apropriados para o culto divino? Qual o problema em apontarmos falhas flagrantes em termos bíblicos, teológicos, doutrinários, éticos e até morais dos pentecostais que sempre nos apontaram como quem não tem o Espírito, não crêem na ação providencial de Deus, na sua direção pessoal de nossas vidas? Chama-nos de ateus práticos, liberais camuflados, arrogantes e soberbos de quem o Espirito Santo passou longe e nós não podemos dizer que são apóstatas da Reforma? Que são simonistas? Que são materialistas com a sua teologia da prosperidade? Que são prognosticadores e feiticeiros com as suas profetadas? Que são místicos, extáticos e patologicamente desequilibrados com suas algaravias glossolálicas? Não são mesmo heterodoxos os arminianos? Por que não termos liberdade para essa critica no nosso reduto, já logicamente ele jamais nos darão essa liberdade no reduto deles? Mas parece que os “neos” estão sendo contra até termos nosso reduto próprio?

26. Você está certo quando por vezes se sente desconfortável, sendo reformado, no reduto reformado puro, sem mesclas. Sai do reduto neo-pentecostal. O reduto neo-pentecostal saiu de mim. Estava cansado de glossolalia, profetada, exclusivismo, desordem nos cultos, desordem na vida familiar, vida cristã descompromissada quando vivida fora das quatro paredes, julgamentos de que “nós” somos “neos”, eles são “velhos”... Enojado dessa postura cainita de condenar alguém como menos espiritual, que mantém ministério apenas ‘ordinário’, sem ‘visão sobrenatural’, ‘sem unção’, ‘sem poder’, sem ‘enchimento ou plenitude do Espirito’ e ‘sem milagres’, ‘sem amor’ e ‘sem piedade’... Cansei disso tudo. Estou também meio cansado de presbiterianismo, confesso, se pego abuso, bie, bie... Mas voltar a ser ‘pentecoste’, só se for por capricho divino. Como sei que Deus não é dado a caprichos, acho que se abuso do presbiterianismo, devo ir para uma outra igreja tradicional, metodista, episcopal, luterana e nem descarto a idéia de, de alguma forma, transpor as águas do Rio Tibre. Mas essa é minha experiência e perspectiva. Por isso, posso entender que você ficaria melhor num reduto reformado menos reformado, e mais carismático. Gosto para tudo. Isso por que você deixou o reduto neo-pentecostal, mas o reduto neo-pentecostal ainda é muito latente em você. Eu não, só eu e Deus sabemos o que passei por lá. Dolentia nunca mais.

27. Igual a você sei de muitas pessoas preciosas que se chocam com um presbiterianismo, ou cristão-reformismo, muito estrito. O que devo lhe dizer é que este fenômeno é novo, esse negócio de fechar 100% com os padrões de Westminster, pegar um ponto da CFW e sair brandindo “você é desonesto, descumpridor dos seus votos de ordenação”. Em algum momento, a IPB deixou de lado uma linha muito equilibrada adotada extra-oficialmente, expressa pelo Rev Antonio Almeida, que escreveu no final dos anos 1950, e reeditado pela CEP até pelos idos de 1979. obra que tive contato quando era seminarista em agosto de 1985. Trata-se do Curso de Doutrina Bíblica, sub-entitulado “Segundo a orientação dos catecismos e da Confissão de Fé da Assembléia de Westminster”, que estabelecia, verbis: “A Igreja Presbiteriana adotou e todos os seus oficiais aceitam a Confissão de Fé e os Catecismos Maior e Breve, formulados pela Assembléia de Westminster, ‘como fiel exposição da doutrina ensinada nas Santas Escrituras’. Esta aceitação não significa que sejamos obrigados a crer e sustentar todas as cláusulas contidas nesses símbolos doutrinários, pois eles mesmos ensinam que a única autoridade para resolver nossas dúvidas e controvérsias em matéria de religião é a Bíblia. Temos, pois, a liberdade de divergir deles em uma ou outra expressão que não represente ponto fundamental de doutrina, por julgarmos, talvez, mais acertado outro modo de interpretar qualquer texto das Escrituras. E, com essa liberdade, nos os presbiterianos de toda parte do mundo, nos sentimos muito bem em possuirmos um dos mais admiráveis resumos do pensamento bíblico que já foi dado aos homens condensar em tão pequenos opúsculos. ALMEIDA A. - Curso de Doutrina Bíblica - Segundo a orientação dos catecismos e da Confissão de Fé da Assembléia de Westminster”, pag. 8. Edição da Casa Editora Presbiteriana – São Paulo – 1979. O que parece, seria o Rev Almeida um neo-calvinista?

28. No mais eu concordo com você, no mais o que? Nem sei... Mas, é fato, “na verdade, não há nada de novo com os novos reformados”. Sequer são novos, tem alguns neopentecostais, outros neo-calvinistas, outros neo-machistas, uns neo-quadrados, tudo boa gente... “Eles estão apenas tentando fazer como Davi, que serviu ao Senhor e à sua própria geração. Somos como Paulo, que buscava formas de tornar o reino de Deus conhecido dos gregos e dos judeus, além de enfrentar as heresias e buscar a unidade de igrejas divididas em partidos. A única diferença é que buscamos fazer isso dentro do século XXI”. Então tá, se eu conseguir me erguer “que o Senhor nos ajude a alcançarmos este objetivo”... O meu objetivo agora é andar primeiro segundo o coração de Deus e depois servir á minha geração... Agora, ser listado e criticado por vezes não ajuda muito... Agora, now again, digo isso, mas eu nem sei se para você eu sou velho, ou sou neo? Nem sei se depois de tanto vampirizar esse Driscoll você continuará neo. Você tem criticas a fazer dos velhos? Tudo bem. Mas como é que fica essa questão de devermos “buscar a unidade de igrejas divididas em partidos”? Os “neos” não formam um partido?

29. Como o escritor aos Hebreus ainda tinha muito a dizer, mas isso foi o que no momento me é permitido fazer assim resumidamente.


Anamim Lopes da Silva

Um comentário:

Gabriela disse...

Olá estou seguindo seu blog por ter gostado muito Deus continue abençoando. abraços
www.blogandodemadrugada.blogspot.com